Petrobras lança cinco licitações em 2014

Presidente da Petrobras, Maria das Graças Foster

Os fornecedores de unidades flutuantes estão se preparando para um ano agitado no Brasil em 2014, visto que a Petrobras está planejando lançar pelo menos cinco licitações, quase certamente para o afretamento de unidades de produção.

A companhia está enfrentando desafios de longo prazo para iniciar a produção em seus enormes campos no pré-sal da Bacia de Santos, mas também está sendo pressionada para aumentar o fluxo de produção a curto e médio prazo.

Isso resultou em um grande aumento nos investimentos destinados a melhorar a eficiência operacional nos campos tradicionais da Bacia de Campos e na determinação em lançar licitações para várias unidades para os horizontes do pós-sal, com a intenção de produzir o primeiro óleo o quanto antes, no fim de 2017 ou início de 2018, usando pelo menos duas delas.

Espera-se que a primeira dessas abordagens ao mercado ocorra em meados de janeiro, quando a Petrobras comunicará sua intenção de lançar uma licitação para um FPSO capaz de produzir pelo menos 120.000 barris de óleo por dia no campo de Tartaruga Verde, na Bacia de Campos.

“Pode haver um pequeno atraso no cronograma, mas esperamos que o convite para a licitação seja enviado em fevereiro ou início de março”, afirmou uma fonte. “Não esperamos que a etapa de concessão de contratos aconteça em menos de sete ou oito meses.”

Quase que simultaneamente a Tartaruga Verde, a Petrobras pretende abrir uma licitação para uma unidade com capacidade para 100.000 bpd que será situada em uma área de águas profundas no norte da Bacia de Campos, administrada pela unidade operacional da Petrobras no Espírito Santo. O Upstream acredita que este desenvolvimento tem como alvo uma nova descoberta de óleo leve chamada São Bernardo.

Mais adiante, a Petrobras deverá publicar o edital para a licitação de um FPSO de 90.000 bpd para explorar reservas adicionais no campo de Marlim Sul, possivelmente alinhada a um mandato de investimento da Agência Nacional do Petróleo (ANP).

“Há algumas discussões internas na Petrobras sobre a possibilidade de a companhia prosseguir ou não com isso, mas por enquanto ainda está no planejamento”, declarou outra fonte envolvida nas negociações preliminares.

Antes do fim de 2014, espera-se também que a Petrobras inicie os processos de licitação para a primeira unidade de produção da nova província de águas profundas da Bacia de Sergipe-Alagoas e para outra unidade de produção no pós-sal do complexo de óleo pesado de Parque das Conchas, no norte da Bacia de Campos. As capacidades de produção serão de 80.000 a 100.000 bpd, afirmaram as fontes.

Há também planos de lançar uma licitação para o tão adiado desenvolvimento de Maromba, que segue um trend de óleo pesado similar à do campo de Papa Terra.

De acordo com algumas fontes, há também uma pequena possibilidade de uma licitação ser lançada antes do fim do próximo ano para o afretamento de outra unidade para os campos do pré-sal.

“A Petrobras delineou planos para o afretamento de outra unidade para os campos do pré-sal, mas talvez não recebamos um convite formal de licitação até 2015”, afirmou uma delas.

  • Últimas notícias